Total de visualizações de página

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

trechos. do LIVRO DO DESASSOSSEGO


fotohttp://pessoasempre.blogspot.com.b

397.
...
Lembro-me de repente de quando era criança, e via, como hoje não posso ver, a manhã raiar sobre a cidade. Ela então não raiava para mim, mas para a vida, porque então eu (não sendo consciente) era a vida. Via a manhã e tinha alegria; hoje vejo a manhã , e tenho alegria, e fico triste...A criança ficou mas emudeceu.


398.

Tenho por intuição que para as criaturas como eu nenhuma circunstância material pode ser propícia, nenhum caso da vida ter uma solução favorável. Se já por outras razões me afasto da vida, esta contribui também para que eu me afaste. Aquelas somas de factos que, para os homens vulgares, inevitabilizariam o exito, têm, quando me dizem respeito, um outro resultado qualquer, inesperado e adverso.
Nasce-me, às vezes, desta constatação, uma impressão dolorosa de inimizade divina. Parece-me que só por um ajeitar consciente dos factos, de modo a que me sejam maléficos, a série de  desastres, que define a minha vida, me poderia ter acontecido.




Ah! Como eu entendo o que sentias, FP! Tenho por sorte o ensinamento que passaste a quem tiver vontade de aprender o que é a vida, e ainda por cima não querer passar pelos cansativos e desgastantes processos inúteis da experiência por teimosia de apenas tê-los.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

UM FIO DE ESPERANÇA





Durante muitos anos em minha vida fui omissa em relação a tantas coisas que poderia ter feito, tantos esquemas nos quais poderia ter me engajado para o bem das causas humanitárias, dos direitos dos cidadãos, do auxílio voluntário aos que necessitam de cuidados. Sei que isso precisa ser feito com boa condição física e emocional de quem se propõe a fazê-lo. Meu ser, desde adolescente, tem tido dificuldade em jogar-se de corpo e alma a tudo aquilo que uma parte de mim ansiava por fazer.  Faltava-me coragem, confiança em minha capacidade, enfim, alguma coisa me impediu, que só hoje começo a decifrar. Só hoje,  já mais preparada para viver com as limitações que a idade vem impondo, é que me senti com vontade de voltar 30 ou 40 anos e poder justificar minha vinda ao mundo. Só hoje sei o que me impediu de ousar. E o que mais me dói é que conheço minhas qualificações para o que deveria ter feito e não fiz. Acabei me acovardando dentro de uma opção de vida que desde o começo já estava condenada ao fracasso, (que veio acrescentar mais medo e falta de confiança à minha natureza antes tão disposta) e o que ficou foi uma vida medíocre, se é que posso dizer isso, comparando-a com pessoas que fizeram tanto pelos outros. Não faltou auto-motivação para fazer cursos, participar de atividades voluntárias por alguns anos, mas tudo foi feito por algum tempo, não o suficiente para levar a alguma realização palpável. Tudo durou pouco. Meu curso de medicina alternativa (de 2 anos) permitiu que eu fizesse uma sociedade com duas pessoas e criasse um espaço para praticar o que aprendi, mas não teve sucesso. Minhas sócias que nasceram e viveram a vida inteira nesta cidade é quem tinham seus clientes e nunca compartilharam uma parte deles comigo. Eu, como não conheço quase ninguém aqui onde moro, ficava às moscas, sem clientes e isso me fez desistir depois de 3 meses pagando despesas e não recebendo um centavo de retorno. 
Reparei, fazendo um exame mais detalhado em minha vida, que tudo aquilo em que me envolvi no sentido de prestar um trabalho voluntário, já que me aposentei, foi tirado de mim por motivos fortes, que chegaram a me prejudicar a saúde. 
Hoje costumo oferecer ao Ser Supremo todos os momentos em que estou executando uma tarefa "menor", pois tenho perfeita consciência de que poderia estar sendo melhor aproveitada em esquemas mais edificantes do que cozinhar e cuidar da casa. Ao mesmo tempo, chegam imediatamente à minha lembrança, vivências de épocas muito difíceis, onde precisei de sorte para atravessá-las com corpo e mente preservados. Então valorizo o que sou. Faço tudo o que for preciso com capricho, amor e oferecendo como crédito ao transcendental. Não sei se existe vida depois desta, mas suspeito de que o fato de não termos provas de nada é exatamente para que possamos ser espontâneos e não barganhar com Deus. 
Sempre fui só e um fio de esperança me conduziu até aqui. Hoje tenho medo de que esse fio se rompa.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

sobre o tédio...







Se já escrevi isto aqui, me perdoem, mas se aconteceu deve ter sido há muito tempo.
Tenho em Fernando Pessoa (que me acompanha através de seus livros) meu grande amigo. O Livro do Desassossego é um dos dois livros de cabeceira que não dispenso. Hoje ao ler um trecho sobre o tédio, resolvi compartilhar para que possam apreciar o quanto de sabedoria há nas palavras do escritor/poeta!



381. Ninguém ainda definiu, como linguagem com que compreendesse quem o não tivesse experimentado, o que é o tédio. O que a uns chamam tédio, não é mais que aborrecimento; o que a outros o chamam, não é senão mal-estar; há outros, ainda que chamam tédio ao cansaço. Mas o tédio, embora participe do cansaço, e do mal-estar, e do aborrecimento, participa deles como a água participa do hidrogênio e oxigênio, de que se compõe. Inclui-os sem a eles se assemelhar.


383. O mundo exterior existe como um actor num palco: está lá mas é outra coisa. (*)

comungo totalmente com essa ideia do FP, motivo pelo qual quis acrescentar o parágrafo 383. no post.


segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O Demônio do Meio Dia









O demônio do meio dia (*) me visita quase todos os dias, ao redor do meio-dia. Depois vai embora sorrateiro e nem vejo por onde ele sai. 


(*) O Demônio do Meio Dia, livro de Andrew Salomon.