Total de visualizações de página

sábado, 25 de outubro de 2014

Oração da manhã (simples como uma mesa posta)





Agradeço a Deus por tudo o que tenho e peço por aqueles que lutam a vida inteira e ainda não conseguiram um pouco daquilo que é essencial para se começar o dia.

O Café da manhã é um bom exemplo. Se o alimento é suficiente para nos sentirmos fortes ao iniciar mais um dia, há chances de que em grande parte, depende de nós a tão propalada felicidade.

A felicidade é simples. Como uma mesa do café da manhã posta com amor. Sinto-me grata por ter aprendido a me cercar daquilo que considero essencial para executar minha tarefa diária e estar preparada, na medida do possível, para os desafios que nos são colocados.

Essa é minha forma de oração. Partilho com meus contatos.

Apenas mais um detalhe: a louça, a toalha e a fruteira são heranças de minha tia querida, recentemente falecida. O uso que faço desses objetos juntam-me a ela no plano espiritual e me fazem muito bem à alma. Apesar da saudade grande que sinto de sua presença em minha vida.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O AMOR LIBERTA, O JULGAMENTO APRISIONA.






Hoje foi um dia bem eclético: recebi algumas patadas de uns, e gestos de amor de outros.

Essa é a vida. Aprendi a não me abater com os ataques nem a me vangloriar ou envaidecer com os gestos a meu favor. Cada pessoa dá a você, em certo momento, o que você precisa para lapidar sua alma. O segredo para se conseguir isso é não deixar que o ego fale por si. O ego foi feito para nos testar. Quem a ele sucumbe é escravo das emoções e sob o regime de escravidão é impossível crescer.É importante perceber que  tudo o que fazem em sua direção tem o propósito de ensinar-lhe algo. Em vez de criticar o outro, aproveite a oportunidade para si. E como dizia uma sábia amiga - a gente só tem as experiências que precisa ter.

Não julgar ninguém é a chave para abrir uma porta que nos leva a uma vida mais leve. Quando a gente não se envolve na problemática do outro pode-se até sentir amor e compaixão por essa pessoa que nos atacou. Optando por não reagir negativamente nasce uma liberdade imediata.

Acabei de levar uma pedrada, reagi de forma educada mas aceitando que essa pessoa não quer mais fazer parte de meus contatos, e mal sabe ela que está confundindo as coisas. Não tentei explicar. Ela foi direta e eu entendi a mensagem. Seria um diálogo infrutífero, como alguém que quer convencê-lo a ser do partido x ou y ou a seguir a religião w ou z. Não quero convencer ninguém. Prefiro a filosofia da flor, aberta no jardim à espera das abelhas e borboletas. A flor está lá, o perfume é para quem quiser senti-lo.

Confio muito em que há um anjo me dando chances na vida. Ele às vezes não me poupa, mas me testa. Foi incrível o que aconteceu. Acabei de ser agredida e logo em seguida recebi uma outra mensagem de uma amiga que me quer muito bem há mais de 35 anos. Mandou-me a foto acima convidado-me a caminharmos juntas por esse lugar maravilhoso.

Deus fecha uma porta, mas abre uma janela do tamanho do mundo!!!

sábado, 18 de outubro de 2014

Meu fascínio pelo ensinamento de Hanneman







No meu blog de 24 de maio de 2014 sobre Depressão refiro-me a esse mal como se tivesse a certeza de que dele sofria. Depois de anti depressivos que quase me levaram ao hospital, tantos foram os efeitos colaterais graves, larguei tudo e agora sinto-me bem melhor. 

Precisamos aprender a sentir  nosso corpo e perceber o que ele pede. Achando que tinha uma depressão grave acabei prejudicando outras áreas de meu organismo, que sempre foi muito sensível a qualquer medicamento invasivo e alopático.  Descobri que sem os remédios sinto-me bem melhor. Incrível isso! Como em casa de ferreiro o espeto é de pau, (sou terapeuta) não usei os recursos que aprendi para meu benefício. E agora tenho uma nova estrada a seguir. Sempre gostei da Homeopatia, principalmente a de Hanneman e sua filosofia sobre um medicamento único, de base. Há que se ter perseverança e confiança, mas minha intuição (que nunca me enganou) diz que devo tentar esse tratamento. Já marquei consulta. Estou bastante feliz por ter decidido por um tratamento alternativo. 

Nada contra a alopatia, que em muitas ocasiões é o único recurso que nos livra de problemas. Você não pode curar uma fratura, por exemplo, com homeopatia. Mas o mundo está aí mostrando que não se deve radicalizar. Quando a alternativa mais apropriada é a medicina chinesa, ou a homeopatia, há que se pensar a respeito e optar por uma solução com poucos ou quase nulos efeitos colaterais.

Se alguém se interessar por algum material sobre a Homeopatia Unicista de Hanneman, é só pedir que envio o arquivo como anexo.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

FERNANDO PESSOA - sobre a felicidade

Tudo o que eu disse numa postagem anterior fica insignificante perto do texto que selecionei sobre o tema em referência.
Então resolvi transcrever aqui, a genial explicação de felicidade, por Fernando Pessoa. É de tirar o fôlego!

Colocarei partes de parágrafos do Livro do Desassossego, que considero um dos melhores que li em toda a vida.

cap. 405  A vida, para a maioria dos homens, é uma maçada passada sem se dar por isso, uma coisa triste composta de intervalos alegres, qualquer coisa como os momentos de anedotas que contam os veladores de mortos, para passar o sossego da noite e a obrigação de velar. Achei sempre fútil considerar a vida como um vale de lágrimas: é um vale de lágrimas, sim, mas onde raras vezes se chora. Disse Heine que, depois das grandes tragédias, acabamos sempre por nos assoar. Como judeu, e portanto universal, viu com clareza a natureza universal da humanidade.
A vida seria insuportável se tomássemos consciência dela. Felizmente não o fazemos. 

cap.406 - Não creio alto na felicidade dos animais, senão quando me apetece falar dela para moldura de um sentimento que a sua suposição saliente. Para se ser feliz é preciso saber-se que se é feliz. Não há felicidade em dormir sem sonhos, senão somente em se despertar sabendo que se dormiu sem sonhos. A felicidade está fora da felicidade.
Não há felicidade senão com conhecimento. Mas o conhecimento da felicidade é infeliz; porque conhecer-se feliz é conhecer-se passando pela felicidade, e tendo logo já, que deixá-la atrás. Saber é matar, na felicidade como em tudo. Não saber, porém, é não existir.
Só o absoluto Hegel conseguiu, em páginas, ser duas coisas ao mesmo tempo. O não-ser e o ser não se fundem e confundem nas sensações e razões da vida: excluem-se, por uma síntese às avessas.
Que fazer? Isolar o momento como uma coisa e ser feliz agora, no momento em que se sente a felicidade, sem pensar senão no que se sente, excluindo o mais, excluindo tudo. Enjaular o pensamento na sensação.